Postagem em destaque

Com altos níveis de mercúrio no sangue, santarenos estão sob risco de efeitos tóxicos

Professora Doutora, Heloísa avaliou os níveis de concentração de mercúrio no sangue de pessoas que vivem na região de Santarém. Décadas...

Grupo do Blog

quarta-feira, março 09, 2016

Barões da soja continuam ameaçando o Lago do Maicá.

Segundo o ministro Helder, os novos terminais portuários paraenses tornarão mais competitiva a produção agrícola do Centro-Oeste.

Pará vai ampliar escoamento de grãos

 (Foto: Ed Ferreira / Sep)

“Estamos envidando todos os esforços para escoar a produção agrícola da Região Centro-Oeste. Cabe a nós, da SEP, fazer com que a soja brasileira seja mais competitiva”. A afirmação do ministro Helder Barbalho, da Secretaria de Portos da Presidência da República (SEP), foi feita ontem, durante sua participação em Cuiabá (MT) no seminário “Setor Portuário: Desafios e Oportunidades”.

Com esse objetivo, a secretaria está trabalhando para aumentar a capacidade de movimentação de grãos nos portos do Arco Norte, especialmente nos instalados no estado do Pará. De acordo com projeção da SEP, a atual capacidade de transporte de granéis sólidos aumenta pelo menos 160% até 2020, passando de 8,5 milhões de toneladas (entre portos públicos e privados) para 22,1 milhões de toneladas.

O salto considerável na capacidade de movimentação de grãos será possível com a concessão das próximas seis áreas para novos terminais portuários, todas no Pará, a serem leiloadas no dia 31 deste mês na BM&FBovespa, em São Paulo. O ministro lembrou que, das seis áreas disponíveis para arrendamento, apenas uma é destinada à movimentação de fertilizantes e todas as demais são voltadas para o transporte de grãos.

Todo esse planejamento está, segundo Helder, “absolutamente interligado com a necessidade logística de escoamento da produção de grãos do Centro-Oeste brasileiro”. E exortou: “Por isso, a importância do envolvimento dos produtores de Mato Grosso, compreendendo que a consolidação do Arco Norte, permite que haja um novo caminho de acesso, que haja o barateamento dessa produção e consequentemente a competitividade de nossos produtos”, analisou.

MAIS ECONOMIA

De acordo com dados apresentados pelo consultor da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Luiz Antonio Fayet, durante esse ‘roadshow’ de apresentação das oportunidades de investimento no setor portuário brasileiro, dependendo da região produtora, a economia possível com a movimentação da produção agrícola pelos portos do Arco Norte varia entre US$ 47 e US$ 60 por tonelada de grão. Isso porque o deslocamento terrestre da porteira até o porto pode ser reduzido de 500 a 1 mil Km.

INTEGRAÇÃO

O ministro Helder lembrou ainda os esforços para integrar os portos com os vários modais na consolidação da logística do Arco Norte. Destacou as melhorias previstas na rodovia BR-163 de Mato Grosso ao Pará, incluindo o asfaltamento do trecho entre Miritituba (PA) e Santarém (PA), assim como em ferrovias para a ligação das regiões Centro-Oeste e Norte e a conclusão da licitação para a construção de um caminho fluvial no trecho conhecido como Pedral do Lourenço que permite a navegabilidade contínua na hidrovia do Tocantins. E concluiu: “Vamos garantir que o Arco Norte tenha esse encontro multimodal. Assim, quero convidar os senhores para que invistam. Que isso seja uma oportunidade de ganhos para os senhores e para o Brasil”, pontuou.

Fonte: tucuximy/Diário do Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário

Flash