Postagem em destaque

Com altos níveis de mercúrio no sangue, santarenos estão sob risco de efeitos tóxicos

Professora Doutora, Heloísa avaliou os níveis de concentração de mercúrio no sangue de pessoas que vivem na região de Santarém. Décadas...

Grupo do Blog

terça-feira, fevereiro 11, 2014

O PODER DE ADAIL PINHEIRO

Testemunho do Ex-prefeito de Manaus Serafim Corrêa, sobre o poder do prefeito acusado de comandar uma rede de pedofilia  na cidade de Coari .



O FANTÁSTICO expôs para o Brasil o poder e a influencia do prefeito de Coari, Adail Pinheiro, que obviamente só está impune porque tem uma grande rede de proteção aqui e lá fora, mais precisamente em Brasília e já perpassou pelo próprio Palácio do Planalto lembrando que certa vez em Coari o então presidente Lula o chamou de “amigo e companheiro”.

Posso dar um testemunho de quem o enfrentou, os seus “amigos” e protetores. E mais: dizer que essa rede de proteção já foi até maior, mais ampla e mais forte.

Relembro os fatos.

Corria o ano de 2005, ele era prefeito de Coari e eu de Manaus. Num jogo combinado, de Clovis para Raimundo como se diz no dominó, o Município de Coari entrou com uma ação judicial contra o Estado do Amazonas pela não publicação dos cálculos dos índices de ICMS, obrigatória a ser feita todos os anos por força de lei complementar, o que não acontece desde 1990. Juntou um estudo com cálculos que indicavam que Coari tinha que ter aumentada a sua participação. Até aí, tudo legítimo, mas a partir daí, tudo muito obscuro. O juiz determinou que o Governo do Estado, então exercido pelo senhor Eduardo Braga, hoje líder no Senado da presidente Dilma Roussef, fizesse o estudo e apresentasse os cálculos. Foi contratada, então, a FGV que ao final indicou que os percentuais de Coari e Manaus deveriam ser aumentados e os demais reduzidos, o que obviamente desagradaria os restantes 60 prefeitos. Cumprir isso seria um desastre para o projeto de reeleição do então Governador que determinou que o estudo não fosse apresentado. Manaus entrou com medida judicial e obteve liminar para ter acesso ao estudo, mas o então Presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas, Arnaldo Carpinteiro Peres, cassou a liminar.

Resultado: sem o estudo do Governo do Estado, o Juiz decidiu que valia o estudo apresentado por Coari aumentando o seu percentual. Óbvio que se num bolo vai aumentar a participação de um, teria que diminuir a dos outros 61 participantes. No entanto, a SEFAZ, cumprindo determinação do Governador Eduardo Braga, passou a retirar só de Manaus.

A Prefeitura de Manaus através da PGM, a frente o Dr. Ananias Ribeiro, e mais os procuradores Francisco Augusto, Marcos Cavalcante, Franco Junior e Rafael Albuquerque adotaram todas as medidas possíveis, mas sempre que virávamos o jogo, saíam novas liminares, sempre muito estranhas.

Isso rolou de 2005 a 2008, quando o processo chegou ao STJ.

Em 2008, ocorreu a Operação VORAX que desmontou um grande esquema de corrupção em Coari, à frente o prefeito Adail Pinheiro. A imprensa divulgou gravações que demonstravam como as decisões judiciais eram obtidas em favor de Coari, e por consequência, do prefeito Adail.

Não hesitei um minuto sequer: chamei o Dr. Ananias Ribeiro para que a PGM redigisse uma representação ao CNJ no sentido de que aqueles fatos fossem apurados. Chamei a imprensa e anunciei minha ida à Brasília. Algumas pessoas sugeriram que eu não fizesse isso porque a partir daí passaria a ter a inimizade das pessoas que pudessem vir a ser atingidas. Disse-lhes que tinha apenas duas alternativas: fazer a representação ou renunciar a prefeitura. E fiz a representação. Fui à Brasília protocolá-la no CNJ onde fui recebido pelo corregedor Ministro Cesar Asfor, a quem relatei os fatos. Ele me disse que seriam apurados e que ele estava deixando o CNJ porque assumiria a presidência do STJ, mas que o seu sucessor seria o Ministro Gilson Dipp que era até mais duro do que ele no combate a corrupção. Aproveitei, então, e pedi que o processo fosse distribuído e julgado.

De fato, tão logo ele assumiu, o processo foi distribuído e o Relator sorteado foi o Ministro Castro Meira.

Entre o primeiro e o segundo turno da eleição municipal de 2008, o processo entrou na pauta do STJ. O relator votou a favor de Manaus e o Ministro Herman Benjamin pediu vista.

Em dezembro de 2008, o processo voltou à pauta e eu convidei o novo prefeito para que fosse junto comigo à Brasília acompanhar o julgamento, já que nessa altura ele era também interessado, pois assumiria em 1º de janeiro. O voto do Ministro Herman Benjamin foi mais contundente do que o do relator. E os três outros Ministros – Eliana Calmon, Humberto Martins Mauro Campbell – acompanharam. A decisão foi unânime, a nosso favor.

Em Brasília, fiquei sabendo que o CNJ tinha acolhido a minha representação e considerado os fatos muito graves, razão pela qual decidiu fazer uma inspeção no TJAM.

Voltei para Manaus, e juntamente com a PGM, busquei que a decisão do STJ fosse cumprida, pelo menos estancando a sangria que custou à época mais de duzentos milhões. Hoje seriam quinhentos milhões. Só na última semana do meu mandato a SEFAZ começou a cumprir. Os duzentos milhões de reais, hoje quinhentos, no entanto, NUNCAvoltaram aos cofres de Manaus.

No Tribunal instalou-se em parte dos magistrados um clima de antipatia a minha pessoa. Paciência. Se era esse o preço a ser pago para que eu dormisse tranquilo com a minha consciência de que tinha cumprido com o meu dever de defender os interesses que o povo de Manaus me havia confiado, eu pagaria, como de fato paguei. Sem nenhum problema, dormindo tranquilo e andando em paz por toda a cidade.

Na última reunião do ano do TJAM quando tomava posse o novo desembargador Aristóteles Thury, o Governador Eduardo Braga fez a sua média e aproveitou para me alfinetar numa atitude muito covarde. Afinal, eu não estava na solenidade, havia perdido as eleições e o meu mandato terminaria dez dias depois.

A CRÍTICA, de 19/12/2008 registrou:

“Solidariedade

O governador Eduardo Braga se solidarizou com o presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJA), Francisco Auzier, investigado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) por supostamente ter aceitado favores para beneficiar o Município de Coari em decisão judicial que definia a repartição de recursos oriundos do ICMS.

“Não é justo que nós coloquemos o nosso tribunal numa situação de desconforto para julgar o que é de direito do povo do interior”.

Para Braga, a denúncia ao CNJ é uma tentativa de coagir os desembargadores do TJA.”

Ou seja, ele ainda teve a cara de pau de dizer que eu estava tentando coagir os desembargadores quando o que pedi foi que o CNJ apurasse se o que estava nas gravações correspondia à verdade. E se fosse que adotasse as providencias cabíveis.

Resultado: o CNJ concluiu a apuração dizendo que os fatos eram gravíssimos. Dois magistrados foram excluídos do processo porque foram aposentados por idade, antes do final das investigações, e três outros foram aposentados ante a comprovação de que protegiam os interesses de Adail Pinheiro e prejudicavam todo o povo de Manaus.

Esse é o meu testemunho do poder de outrora do Adail Pinheiro que já reduziu bastante, mas ainda é enorme.

Extraído do Blog do Sarafa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário

Flash