Postagem em destaque

Barco com passageiros naufrága no rio Xingu no pará sete mortes já foram confirmadas

Vinte e cinco pessoas foram resgatadas com vida e sete mortes já foram confirmadas em naufrágio no rio Xingu, sudoeste do Pará. Uma embarc...

pague seguro

Logotipos de meios de pagamento do PagSeguro

Grupo do Blog

sexta-feira, março 22, 2013

Prefeitura vai multar Manaus Ambiental

O vice-prefeito e titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação (Seminfh), Hissa Abrahão, esteve na avenida Coronel Teixeira, onde na tarde de ontem quinta-feira (21) uma adutora rompeu. Ele verificou os prejuízos e coordenou os trabalhos da Prefeitura de Manaus, que está atuando na área com equipes da Defesa Civil do Município e Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans).

Por: Fabíola Pascarelli

Foto: ALTEMAR ALCANTARA / SEMCOM
Hissa afirmou que a concessionária será multada e que a Prefeitura quer que a empresa tome medidas para evitar novos acidentes, bem como o pagamento de indenizações para as famílias atingidas. “O que nós queremos é que situações como essa não se repitam mais. Já é a quarta vez que isso acontece. Daqui a pouco, teremos que acionar a Procuradoria Geral do Município para pensar até em destratar com a empresa, caso ela não resolva o problema e previna ao acidentes”, afirmou o vice-prefeito.


A previsão da Manaus Ambiental é de que os serviços de recuperação da adutora sejam concluídos até a madrugada desta sexta-feira. O trecho da avenida São Jorge que cedeu deve ser recuperado e liberado para o tráfego no início da manhã.

A transportadora Jorpam e a casa noturna Porão do Alemão foram atingidas pela força da água e devem ficar interditadas por tempo indeterminado para a realização de obras. Doze casas que ficam na Rua Agostinho Pereira também foram afetadas. Quatro ficaram totalmente alagadas, com prejuízos às famílias.

Segundo o diretor técnico da Manaus Ambiental, Arlindo Sales, uma oscilação de energia na Estação de Tratamento da Ponta do Ismael pode ter causado o rompimento da adutora. Ele disse que a tubulação naquela área foi instalada em 1983 e será avaliada a possibilidade de troca por uma nova.

“Nós estamos deslocando nossa equipe administrativa para fazer o mapeamento de todas as pessoas e empresas que foram afetadas por esse rompimento. A empresa vai assumir todos os custos inerentes, assim como fizemos na Compensa, de uma forma rápida”, declarou Arlindo Sales.

O diretor da Defesa Civil do Município, Cláudio Belém, disse que o órgão está fazendo a vistoria dos imóveis atingidos e que equipes vão continuar no monitoramento para que não haja mais prejuízos.

Segundo informações da Manaus Ambiental, o rompimento da adutora prejudicou o abastecimento de água nas zonas Centro-Oeste e Norte, afetando mais de 300 mil pessoas.

O incidente também atrapalhou o trânsito na área. Agentes do Manaustrans sinalizaram e fizeram a orientação dos motoristas. Para chegar à Ponta Negra, o condutor que vem pela avenida São Jorge, terá que desviar para a avenida Ipase e seguir pela avenida Brasil, até as proximidades do conjunto Ayapuá, para retomar à avenida Coronel Teixeira.

Texto: Fabíola Pascarelli

5 comentários:

  1. Tem que mandar essa empresa pra fora do amazonas

    ResponderExcluir
  2. No nosso querido Brasil é assim, a negligência de um gestor, ou até mesmo imperícia deste, culmina com os onus indo para a população. Aqui o amigo não especifica se a empresa é pública, se assim for, é claro que a dívida sem dúvida será paga pelo o usuário sem que haja penalização nenhuma para o principal responsavel por essa catástrofe ambientais, que são os gestores. Enquanto não for especificado responsabilidades solidária aos gerentes de empresa pelos danos causados a natureza ou pessoas, esses fatos continuarão ocorrendo. Portanto, é preciso que se crie mecanismos de penalização para os que estão a frente das empresas,
    com multas altas, inclusive com confisco de bens para ressarcimento dos danos e dependendo dos danos provocados, por que não a prisão? Temos que descomplicar a aplicação das leis, torná-las mais ágeis e quem sairá ganhando é toda a sociedade.

    ResponderExcluir
  3. No nosso querido Brasil é assim, a negligência de um gestor, ou até mesmo imperícia deste, culmina com os onus indo para a população. Aqui o amigo não especifica se a empresa é pública, se assim for, é claro que a dívida sem dúvida será paga pelo o usuário sem que haja penalização nenhuma para o principal responsavel por essa catástrofe ambientais, que são os gestores. Enquanto não for especificado responsabilidades solidária aos gerentes de empresa pelos danos causados a natureza ou pessoas, esses fatos continuarão ocorrendo. Portanto, é preciso que se crie mecanismos de penalização para os que estão a frente das empresas,
    com multas altas, inclusive com confisco de bens para ressarcimento dos danos e dependendo dos danos provocados, por que não a prisão? Temos que descomplicar a aplicação das leis, torná-las mais ágeis e quem sairá ganhando é toda a sociedade.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia meu amigo Luiz, a empresa que presta esse serviço é a manaus ambiental empresa privada.

    ResponderExcluir
  5. Manaus acordou seca,cadê o nosso prefeito que é o nosso guardião.

    ResponderExcluir

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário

Flash