Postagem em destaque

Nélio assina Ordem de Serviço para a 2ª etapa da Praça de Eventos

Assinada a Ordem de Serviço para 2ª etapa da Praça de Eventos O Prefeito de Santarém Nélio Aguiar e o secretário Municipal de Infraest...

Flash

Poderá gostar também de:

Participe

Quem achou interessante

domingo, dezembro 11, 2016

Até tu Vanessa: Para Odebrecht, Vanessa é “Ela”, que recebeu R$ 2,5 milhões



Embora desde março deste ano os nomes dos atual prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB), e da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB) tenham aparecido em planilhas de possível pagamento de propina, caixa dois ou coisa que o valha, é só agora que se começa a perceber com mais clareza o significado de “delação do fim do mundo” para o acordo da Odebrecht.
  Ao lado dos codinomes “Kimono” (Arthur) e “Ela” (Vanessa) aparecem altos valores repassados ilicitamente pela Odebrecht.

Não é possível precisar ainda o total desse dinheiro. Afinal, seus nomes estão em mais de um arquivo no “escritório da propina” da Odebrecht.

“Ela”, por exemplo, aparece em uma planilha como tendo recebido R$ 2,5 milhões em cinco parcelas de R$ 500 mil. “Kimono” está em uma lista que vazou, por enquanto, com R$ 300 mil.

Em outra, novamente R$ 2,5 milhões são registrados como “bônus” para Vanessa.

Relacionado

Arthur Neto vulgo 'Kimono' , assim o prefeito de Manaus e Citado no esquema da Odebrecht

Como são muitos nomes, abreviaturas, siglas, números e rabiscos nos documentos apreendidos no “escritório da propina” é preciso esperar que os peritos da Polícia Federal decifrem e mostrem quanto cada um dos políticos recebeu.

Depois que a delação publicada nesta sexta-feira, dia 9, pelo “Jornal Nacional”, da TV Globo, fez estragos país a fora, muitos políticos citados trataram de se justificar à medida que seus nomes iam aparecendo nas searas locais.

Em Manaus, logo que acordou, o prefeito “Kimono” tratou de postar em rede social, por volta de 13h, que recebeu dinheiro da Odebrecht, mas não no valor citado.

O que já é ponto pacífico nas investigações da Lava Jato: todos os nomes citados faziam parte do projeto da Odebrecht de dominar pela propina e corrupção o sistema político brasileiro, em todo canto.

Marcelo Odebrecht e seus tentáculos criaram uma estrutura de crime organizado para recrutar esses políticos com potencial para influenciar no Congresso Nacional.

“Kimono” era para a Odebrecht um desses políticos que teriam expressão em Brasília. Daí o investimento da empreiteira em seu nome. O plano foi frustrado pela derrota de Arthur para os atuais senadores Eduardo Braga (PMDB) e Vanessa.





Como esta delação foi apenas a primeira de mais de 70 ex-dirigentes da Odebrecht que vão contar tudo o que sabem para o juiz Sérgio Moro, há de se prever que o fim do mundo para uma boa parcela de políticos vai chegar mais rápido do que podiam esperar.

“Se os executivos comprovarem tudo o que dizem, a política será definida como a.O. e d.O. — antes e depois da Odebrecht”, dizem procuradores do Ministério Público.



Fotos: Reprodução/BNC

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário