Postagem em destaque

Com altos níveis de mercúrio no sangue, santarenos estão sob risco de efeitos tóxicos

Professora Doutora, Heloísa avaliou os níveis de concentração de mercúrio no sangue de pessoas que vivem na região de Santarém. Décadas...

Grupo do Blog

quarta-feira, janeiro 27, 2016

Hospital Municipal de Santarém está na UTI.

A promotora de Justiça Lilian Braga, que assina a ação, ressalta que a não regularização do repasse pode causar o colapso total da assistência em saúde, incluindo o atendimento aos 334 pacientes que se encontram atualmente internados no hospital municipal. (Com informações do MPE), a informação é do Diário do Pará.

Justiça determina o bloqueio de R$ 9 mi do Estado

A Justiça de Santarém determinou o bloqueio on-line de R$ 9.012.674,99 da conta bancária da Secretaria de Saúde do Estado do Pará (Sespa), para pagamento da dívida referente ao repasse para a saúde do município. A decisão foi dada mediante uma Ação Civil Pública (ACP) ajuizada pelo Ministério Público do Estado (MPE) e foi proferida, na última segunda-feira, pela juíza da 6ª Vara Cível, Karisse Assad.


Inspeção feita no Hospital Municipal de Santarém constatou precárias condições de atendimento´. (Foto: Diário do Pará/Arquivo)

A ação foi ajuizada no dia 16 de dezembro passado. Além do bloqueio, a Justiça deu prazo de 10 dias para que o Governo do Estado comprove o repasse do valor para Santarém. Se não o fizer, terá o valor bloqueado transferido ao Fundo Municipal de Saúde de Santarém. O MPE apresentou, na ação, um relatório de vistoria realizada no Hospital Municipal de Santarém, no último dia 21, com a presença do Conselho Municipal de Saúde.

Na inspeção foi comprovada a falta de medicamentos, além do relato do médico intensivista, apontando as implicações das faltas e substituições de medicamentos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Na vistoria, feita nos setores de UTI, urgência e emergência, farmácia, almoxarifado, reanimação e hemodiálise, foi verificado o agravamento na saúde pública.

SUS

“Mesmo após o ajuizamento da presente ação, o requerido Estado do Pará continua deixando de repassar as verbas obrigatórias do SUS, resultando em escassez de medicamentos e insumos”, relata a decisão. Segundo o MPE, o atraso se acumula desde 2013 e prejudica a prestação do serviço em saúde no município, cujos atendimentos mensais no hospital municipal chegam a R$ 16 mil.

Os valores são previstos no artigo 198 da Constituição Federal, pelo qual devem os Estados garantir 12% de suas receitas para o financiamento à saúde. Os atrasos são das parcelas mensais. A promotora de Justiça Lilian Braga, que assina a ação, ressalta que a não regularização do repasse pode causar o colapso total da assistência em saúde, incluindo o atendimento aos 334 pacientes que se encontram atualmente internados no hospital municipal. (Com informações do MPE)

Tucuximy.blogspot.com /Diário do Pará


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário

Flash