Grupo do Blog

quinta-feira, dezembro 11, 2014

Assassino em série disse já ter matado 42 pessoas.

'Quando eu não fazia, eu ficava nervoso. Aí, saía para a caçada', afirmou.

Homem confessa ter assassinado mais de 40 pessoas no RJ. Suspeito diz ter matado 39 mulheres, três homens e uma criança.
'Quando eu não fazia, eu ficava nervoso. Aí, saía para a caçada', afirmou.




Um homem que foi preso em flagrante após matar Fátima Miranda a facadas em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, confessou à polícia ser um assassino em série. Durante o depoimento, Sailson José das Graças, de 26 anos, disse já ter matado outras 42 pessoas nos últimos nove anos, sendo 38 mulheres, três homens e uma criança. Com frieza, ele contou como planejava os crimes.

“Ficava observando a vítima, estudando. Esperava um mês, às vezes uma semana, dependendo do local. Eu procurava saber onde ela mora, como é a família dela, se ela passava na rua, via, dava uma olhada na casa, ficava estudando ela. De madrugada, numa brecha da casa, numa facilidade, eu aproveitava, entrava”, detalhou o preso na delegacia.
Quando eu não fazia, eu ficava nervoso. Aí, saía para a caçada"
Sailson José das Graças

As vítimas preferidas dele eram mulheres brancas e moradoras Baixada Fluminense. O delegado responsável pelas investigações afirmou que acredita na confissão e na participação de Sailson nos assassinatos, pois só uma pessoa que estava nos locais dos crimes poderia relatar tudo com tantos detalhes.

“A vontade dele de matar era por mulheres e ele não matava mulheres negras, só brancas. Ele seguia a vítima, estudava passo a passo até conseguir concretizar o delito”, explicou o delegado Pedro Henrique Medina, titular da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF). Segundo a polícia, Sailson é um psicopata e agora os agentes estão comparando as informações da confissão com os inquéritos de cada um dos crimes.

O criminosos contou que ficava mais tranquilo ao praticar os crimes. “Quando eu não fazia, eu ficava nervoso, andava pra lá e pra cá dentro de casa. Aí quando eu fazia já ficava mais tranquilo. Fazia uma vítima ali, aí podia ficar uns dois meses sem fazer, uns três meses. Ficava na boa, só pensando naquela que eu matei. Aí, saía para a caçada”, afirmou.
Delegados da DH acreditam na confissão
(Foto: Reprodução / TV Globo)

O homem também revelou o que fazia para não ser identificado e afirmou que não tinha medo de ser preso, pois gostava de cometer os crimes.

“Eu não matava com preocupação de ir pra cadeia não. Fazia as coisas bem feito, é por gostar mesmo isso. Preocupava mais com a digital, se o local tem câmera, se o local não tem câmera. Eu não levava documento, não levava nada que desse pista para a polícia”, disse.


'Eu gostei e comecei a acostumar', diz assassino
Durante o depoimento, ele ainda confessou a morte de uma criança de dois anos e disse que cometeu o crime porque tinha medo que os vizinhos ouvissem o choro dela depois que a mãe foi assassinada. Sailson falou aos policiais que começou a cometer crimes ainda na adolescência.

“Comecei a roubar coisas pequenas, fazer pequenos furtos. Aí fui crescendo e tendo outros pensamentos diferentes. O pensamento foi mudando, entendeu? De roubar, fui começando a pensar em matar. Com 15 anos, roubava bolsa. Depois, com 17, eu matei a primeira pessoa. Deu aquela adrenalina, a primeira mulher. Aí veio na mente a cadeia. Será que eu vou preso? As coisas fluíram bem. Aí foi vindo na mente de fazer mais e mais. E eu gostei e comecei a acostumar”, disse ele, friamente.
Ele não matava mulheres negras, só brancas. Ele seguia a vítima, estudava passo a passo até conseguir concretizar o delito"
Pedro Henrique Medina,
delegado

O delegado Pedro Henrique Medina ficou surpreso com o relato do criminoso e afirmou que a riqueza de detalhes do depoimento indica a participação dele nas mortes.

“Confesso que é a primeira vez que eu vejo um elemento com a psicopatia de um serial killer. Apesar desses casos serem retomados agora, a gente pode perceber uma riqueza de detalhes muito grande. Em alguns casos que ele noticiou aqui e já fizemos uma busca em sistema já evidenciamos mulheres ou pessoas que ele executou de uma forma em determinada localidade do cômodo. Sinais que só a pessoa que estaria na cena do crime teria essa impressão”, afirmou o delegado.

Sem arrependimento
Os assassinatos foram cometidos ao longo de nove anos. Durante o depoimento, ele também disse que mata por encomenda, a pedido de uma mulher e do ex-marido dela, que também foram presos pela polícia.

“Ela me bancava. Em troca disso, era água, comida, teto, roupa nova, dinheiro pra mim (sic) comprar as necessidades. Tudo por conta deles e, em troca disso, a alma dos caras”, afirmou. Após diligências, os agentes localizaram e prenderam Cleusa Balbina, José Messias e Sailson Jose das Graças, que apresentaram informações contraditórias. Sailson contou que os crimes encomendados era praticados com faca, mas quando matava por conta própria ele estrangulava as vítimas.

Com muita frieza, ele também revelou não ter arrependimentos. “Não me arrependo não. Pra mim o que fez, tá feito. E não volto atrás, não tenho nenhum arrependimento. Se eu sair daqui a uns 10, 15 ou 20 anos, eu vou voltar a fazer a mesma coisa. É a vontade mesmo, não tem jeito. Eu saio, escolho as minhas 'mulher', as mulheres do meu perfil, e se achar que tem que ser, vai ser”, afirmou o assassino.

Segundo o delegado Pedro Medina, o suspeito tem quatro passagens pela polícia; uma por furto em janeiro de 2007, outra por roubo em agosto 2007, uma por porte de arma em fevereiro de 2010 e outra por furto em fevereiro de 2014.

A polícia agora conta com a colaboração dos parentes das vítimas que foram assassinadas ao longo desses nove anos para obter informações que colaborem com as investigações. Ele passou a noite na Divisão de Homicídios e deve ser levado, na manhã desta quinta-feira (11), para um presídio no Rio de Janeiro.

 G1.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário

Flash