Postagem em destaque

Com altos níveis de mercúrio no sangue, santarenos estão sob risco de efeitos tóxicos

Professora Doutora, Heloísa avaliou os níveis de concentração de mercúrio no sangue de pessoas que vivem na região de Santarém. Décadas...

Grupo do Blog

terça-feira, abril 15, 2014

Presidente do Holanda fala da esculhambação que é o campeonato amazonense


Presidente do Holanda critica futebol do AM e anuncia: "Não participo mais. Após rebaixamento para a segunda divisão local, Paulo Radin citou "falta de bom senso e responsabilidade" e afirma que não retorna mais ao futebol amazonense

Por Isabella Pina Manaus

Não que seja a razão principal, mas o time do Holanda foi rebaixado para a série B do Campeonato Amazonense neste fim de semana e pode não retornar ao futebol profissional na temporada de 2015. Há sete anos em funcionamento, talvez o fim da equipe, que já disputou a série C do Brasileiro e campeã amazonense de 2008 esteja próximo. Paulo Radin, presidente do clube conversou com o GloboEsporte.com e admitiu sua retirada do futebol local: “Cansei!”.

Radin criticou 'calendário maluco' e definiu saída (Foto: Adeilson Albuquerque)

Inicialmente questionado sobre um breve retrospecto da temporada e erros que culminaram no rebaixamento do Holanda, ele foi justo ao admitir que a equipe apenas cumpriu tabela. A declaração, no entanto, ficou em segundo plano durante a conversa. Sem grandes esperanças em uma utópica melhoria do cenário futebolístico local, o cartola não poupou críticas e declarou sua saída definitiva do ‘meio’.
- Eu, Paulo Radin, não participo mais dessa ‘esculhambação’. Cansei. Não me envolvo mais no Campeonato Amazonense. Por anos tenho sido voz solitária ‘lá’ dentro e cansei. Sempre critiquei, apresentando soluções, opções e nada mudou.

Entre as críticas tradicionalmente tecidas por Radin, o calendário local sempre foi o ponto principal dos questionamentos. Com apenas nove jogos 'certos', à exceção das partidas de semifinais e finais, os clubes que não garantem a classificação ficam à mercê do marasmo, resultando no "calendário maluco".

- Por fim, é algo que não vale a pena. É uma palhaçada esse calendário maluco. É, no mínimo, uma falta de bom senso e de responsabilidade, e eu não tenho problema em falar isso. Não tem nada a ver com ir à segunda (divisão) ou ficar na A. Tenho muita gratidão com todos, com a imprensa, que por alguns buscou nos ajudou, mas não ficarei mais nisso – declarou.

- Se o Holanda vai deixar de existir? Não sei. Tem outras pessoas que fazem parte do time, nunca fui só eu. Tem o resto do pessoal, e vamos ver o que pode ser feito. Só repito: eu estou fora. Não participo mais disso.


Campanha em 2014 e rebaixamento

Holanda teve apenas uma vitória em todo o campeonato (Foto: Marcos Mendonça)

Sobre a queda para a série B - o que, reitera, que não influenciou de forma alguma em sua saída -, Paulo Radin afirma que o time entrou sem qualquer ambição em conquistar o título. No início do ano, seu filho sofreu um grave acidente de carro e, obviamente, tirou o foco do presidente. ‘Atrasados’ para declarar a desistência da disputa, a Laranja apenas cumpriu tabela.

- Nós tínhamos um planejamento feito, tanto para a Copa São Paulo quanto para o Estadual. Aí veio o acidente do meu filho. Pensamos até em não competir, mas já tinha ultrapassado o prazo para a desistência e sofreríamos uma séria penalidade, o que seria pior que o rebaixamento. O jeito foi improvisar, fazendo o campeonato. Cumprimos tabela. Estamos agora só colhendo o resultado. A melhor hipótese era permanecer na A, claro. Não há demérito ter descido ou ficado, é tudo consequência de um momento. Em todos os jogos fomos de igual pra igual. Temos a segunda ou terceira melhor defesa. O ataque é o pior. Mas enfim, não tem nenhum lamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário

Flash