Postagem em destaque

Com altos níveis de mercúrio no sangue, santarenos estão sob risco de efeitos tóxicos

Professora Doutora, Heloísa avaliou os níveis de concentração de mercúrio no sangue de pessoas que vivem na região de Santarém. Décadas...

Grupo do Blog

sexta-feira, janeiro 03, 2014

Papa pede a padres que trabalhem com pessoas que estão à margem da sociedade

O papa Francisco disse a padres católicos que eles devem deixar a zona de conforto e trabalharem junto às pessoas que estão à margem da sociedade, caso contrário correriam o risco de se tornarem "ideólogos abstratos".
O jornal católico Civiltà Cattolica publicou nesta sexta-feira um texto exclusivo sobre um encontro privado de três horas que o Papa argentino teve em novembro com líderes das ordens de padres do mundo inteiro. O Papa disse que os padres precisavam ter "contato real com os pobres" e marginalizados.


"Isso é realmente muito importante para mim: a necessidade de se tornar conhecedor da realidade pela experiência, passar tempo andando pela periferia para realmente começar a conhecer a realidade e as experiências de vida das pessoas", disse o papa na reunião. "Sem isso, nós corremos o risco de nos tornarmos ideólogos abstratos ou fundamentalistas, o que não é saudável."

Desde a sua eleição em 2013, o primeiro papa não-europeu em 1,3 mil anos tem pressionado padres, freiras e bispos a pensar menos na carreira e ouvir mais as necessidades dos católicos comuns, especialmente os pobres.

Assumindo uma instituição atingida por escândalos de abuso sexual e financeiros, perdendo fiéis para outras religiões, o papa Francisco tem tentado focar nos ensinamentos básicos cristãos da compaixão, simplicidade e humildade.

A conversa com os líderes da União dos Superiores Gerais é importante porque eles vão transmitir os desejos do papa diretamente para os padres nas ordens religiosas ao redor do mundo.

O Civiltà Cattolica é o mesmo periódico que publicou uma importante entrevista com o papa Francisco em setembro, na qual ele disse que a Igreja deveria se livrar da obsessão com ensinamentos sobre aborto, contracepção e homossexualismo e se tornar mais misericordiosa.

Francisco, que era conhecido como o "bispo das favelas" na Argentina por conta do seu trabalho entre os pobres, afirmou que estar junto com aqueles à margem da sociedade era "a forma mais concreta de imitar Jesus".

Um comitê de oito cardeais ao redor do mundo que ele nomeou para aconselhá-lo sobre reformas na administração central do Vaticano, a Cúria, deve submeter as suas recomendações ao papa em fevereiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário

Flash