Grupo do Blog

quarta-feira, março 13, 2013

Omar Aziz quer juros menores para o Esdado

O governador do Amazonas, Omar Aziz, defendeu, durante reunião com outros 16 governadores, nesta terça-feira (12), em Brasília (DF), a redução dos juros das dívidas dos Estados com a União.


foto: divulgação

O governador do Amazonas, Omar Aziz, defendeu, durante reunião com outros 16 governadores, nesta terça-feira (12), em Brasília (DF), a redução dos juros das dívidas dos Estados com a União.

O encontro foi realizado com o objetivo de analisar e definir propostas que possam ser incluídas na revisão do pacto federativo entre a União, Estados e Municípios. O resultado da reunião será apresentado nesta quarta-feira, às 11h (hora de Brasília), ao presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, na Câmara dos Deputados.

Para Omar Aziz, a reunião realizada nesta terça-feira serviu para eleger prioridades, que deverão pautar as discussões no Congresso Nacional nos próximos dois anos.

De acordo com Aziz, existem Estados do país que comprometem 13% do seu orçamento com pagamento de dívidas. O Amazonas compromete em torno de 6%.

Entre os três pontos principais que serão levados para discussão com o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves, está à proposta de redução de 33% dos juros da dívida dos Estados com a União.

Segundo Omar Aziz, os governadores também solicitarão aumento de mais uma cota no repasse do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e vão propor ao Congresso Nacional que analise com mais rigor o impacto de propostas de leis que possam comprometer o orçamento dos Estados.

No encontro, espera-se a definição de uma pauta mínima de assuntos relacionados ao pacto federativo que deverá ter prioridade na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

De acordo com informações do site do Senado, o presidente da Casa, Renan Calheiros, também participará do encontro desta quarta-feira, cuja expectativa é reunir os governadores de 26 Estados e do Distrito Federal, além de líderes partidários da Câmara e do Senado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário

Flash