Postagem em destaque

Vereador, esposa e filho são amarrados durante assalto em residência

A casa do vereador Daniel Siqueira Neves, conhecido como Daniel dos Estudantes, de 29 anos, localizada no bairro Santa Rita, em Jacundá, no...

pague seguro

Logotipos de meios de pagamento do PagSeguro

Grupo do Blog

terça-feira, dezembro 04, 2012

Jacaré é morto na Estrada do Tabocal

Para o pescador Pedro Morais de Castro, 61, conhecido como “Periquito”, o incômodo não é a presença do animal no rio, mas seus constantes ataques às malhadeiras ou “bubuias” estendidas no rio. O pescador Elias da Silva, 46, também reclama dessmuito mais pela destruição causada aos seus equipamentos de pescador do que pelos ataques às pessoas. “O prejuízo que esses jacarés causam a nós, pescadores, ninguém paga e ninguém ressarce”, disse ele.

jornaldobanega.cin.nr

Tarde de sábado. Bem próximo à praia que fica ao lado do porto da cidade de Urucurituba, no Médio Amazonas, um jacaré-açu de aproximadamente 3,5 metros surgiu e ficou circulando. Couraça preta e dentes afiados, ele subiu o rio mais de 600 metros, aproximadamente, e se postou a menos de 50 metros da estrada do Tabocal, onde existe uma praia que a comunidade costuma frequentar.
 Por sorte, poucas pessoas estavam no local àquela hora, perto das 15 horas. Mas, para quem queria se divertir ou curtir a ressaca da sexta-feira adquirida no bar Tira-Ressaca, a presença do jacaré incomodava.
Rapidamente seis homens pegaram duas canoas, cercaram o animal e atiraram arpões em sua direção. Sem q ualquer receio da presença humana, o jacaré não se moveu e ainda esboçou um gesto de ataque, mas foi imediatamente contido por um dos grupos que ocupava uma das canoas. Imobilizado, ele morreu e foi levado à praia do Tabocal.
 Para uma das moradoras da estrada do Tabocal, Jayne Libório, o aparecimento de jacarés de grande porte nas águas do rio Amazonas, nas proximidades da praia, já se transformou em rotina. “Eles aparecem e vão embora sem incomodar ninguém”, disse ela.
 Para Pedro Castro, o IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) deveria liberar a caça aos jacarés no lago do arrozal, onde eles proliferam, de modo a deixar que os pesadores de Urucurituba possam exercer sua profissão com dignidade. “De que adianta apenas preservar os animais se as pessoas estão morrendo de fome?”, indagou ele

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário

Flash