Postagem em destaque

Mentor da morte de técnica de enfermagem tinha briga com filho da vítima

Segundo o delegado Juan Valério, Lessandro Leal de Lima havia se envolvido em uma briga com o filho de Corina no dia 27 de maio e desde en...

Flash

Poderá gostar também de:

Participe

Quem achou interessante

terça-feira, dezembro 13, 2016

Fisioterapeuta pode ter sido estrangulada e jogada no rio

A delegacia de homicídios começou a colher, nesta segunda-feira (12), depoimentos que podem ajudar a esclarecer a morte da fisioterapeuta Carmen Silva, encontrada nas águas do Rio Negro no dia 8 de dezembro. Ao todo, quatro pessoas foram ouvidas, entre elas um irmão da vítima e o dono da lancha.

Carmen Silva foi encontrada morta no dia 8 de dezembro (Foto: Reprodução/TV Amazonas) 
Carmen Silva foi encontrada morta no dia 8 de dezembro

 
De acordo com as primeiras informações já apuradas pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), a fisioterapeuta estava em uma lancha com mais quatro pessoas, acompanhando um show musical que ocorria na praia de um hotel de luxo na Ponta Negra.

A mulher foi encontrada morta no Rio Negro e resgatada pelo Corpo de Bombeiros, vítima de um suposto afogamento. Entretanto, o laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou que não havia água nos pulmões da mulher.
O laudo ainda não foi finalizado. Ainda assim, de acordo com o titular da DEHS, Ivo Martins, já existem indícios que podem esclarecer as marcas encontradas no corpo da fisioterapeuta, que chegaram a ser contestadas pela família dela.
"A marca no pescoço dela não era compatível com esganadura. O fato é que não havia água nos pulmões dela, o que indica que ela não morreu afogada", disse.
A investigação ainda está no começo e, nesta terça-feira (13) outros depoimentos devem ser colhidos na DEHS.
Vítima acompanhava show do Rio Negro, segundo testemunhas (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal) 
Vítima acompanhava show do Rio Negro, segundo testemunhas (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

Entenda o caso

Uma mulher de 39 anos foi encontrada morta no Rio Negro, na madrugada desta quinta-feira (8), em Manaus. Segundo testemunhas, a vítima estava em uma lancha nas proximidades da Praia da Ponta Negra, na Zona Oeste, onde ocorria um show no pier de um hotel de luxo.
O Corpo de Bombeiros foi acionado por volta de 4h para fazer o resgate da vítima, que estava submersa a 15 minutos, segundo populares. A mulher foi encontrada boiando no Rio Negro e foi levada para a praia. A corporação tentou reanimá-la, mas sem êxito.
Diversas embarcações ancoraram nas proximidades do local para assistir a apresentação o cantor Wesley Safadão do Rio Negro. A psicóloga Eliziane Cunha, de 27 anos, estava em uma lancha próxima ao barco em que a vítima estava com um grupo de amigos.
"Várias lanchas ancoraram para acompanhar o show. A gente estava curtindo, quando começou uma 'muvuca'. Olhamos para a outra lancha [em que a mulher estava] e vimos o pessoal com a lanterna dos celulares ligada, apontando para o rio, mas estava muito escuro", contou.
Ainda conforme relato de testemunhas, a vítima teria pulado para tomar banho no rio com uma amiga, mas não voltou para a superfície. A Marinha foi acionada e, em seguida, os bombeiros foram ao local.
A mulher foi encontrada cerca de uma hora depois. O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML).

G1Amazonas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário