Postagem em destaque

Professora exigia sexo para aumentar notas de alunos. Veja o vídeo!

Uma professora casada de Medellín, Colômbia, foi presa após acusações de que transava com alunos menores de idade e, em troca, dava notas ...

Olho do Boto

Grupo do Blog

Informatica

quarta-feira, maio 17, 2017

"Mais Amazônia" levanta debate sobre formatação de fundo para desenvolvimento de regiões

Debater uma nova agenda urbana para a Amazônia é o principal objetivo do encontro que será realizado durante dois dias em Belém

Foto: MÁCIO FERREIRA/ AG. PARÁ Previous Next

O esforço por concretização de parcerias e o desenvolvimento de um sistema de fundos com recursos de instituições públicas e privadas que possam ajudar a implementar a Nova Agenda Urbana na Amazônia, garantindo melhoria de qualidade de vida para a população nos municípios é o principal foco dos debates que irão nortear o "Mais Amazônia – Encontro de Especialistas para a Nova Agenda Urbana". Sob o tema “Rumo à Sustentabilidade das Cidades e dos Assentamentos Humanos na Região Amazônica e um Sistema de Fundos para o Desenvolvimento Urbano-Territorial Sustentável no Estado do Pará”, o encontro será realizado em Belém, nesta quarta (17) e quinta-feira (18), no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia.


Elaborado conceitualmente pelo Instituto Dialog em parceria com a ONU-Habitat, o Ecossistema de Fundos se fundamenta na premissa do mutualismo facultativo, situação na qual pode haver vantagens recíprocas na cooperação entre partes que funcionam autônoma e independentemente.

O encontro, que terá o formato de reunião técnica de trabalho, vai unir representantes de instituições públicas e privadas como Organização das Nações Unidas para Assentamentos Urbanos (ONU Habitat), PNuma (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento), CAF (Banco de Desenvolvimento da América Latina), empresários, governadores e organizações do terceiro setor.

A reunião também representa um desdobramento da proposta feita pelo Pará durante a III Conferência das Nações Unidas para a Habitação e o Desenvolvimento Urbano Sustentável (III ONU Habitat), realizada em Quito, capital do Equador, em outubro do ano passado. O evento internacional marcou o início das articulações para a criação do Modelo de Financiamento “Ecossistema de Fundos”.

O sistema reconhece que há oportunidades de otimização de recursos, ganhos de escala e redução de riscos de atores públicos, de diferentes esferas, e privados cooperarem de forma estruturada. A solução, portanto conta com fundos públicos e privados de naturezas diversas, de fundos de concessão de crédito para prefeituras até fundos de investimento privado em infraestrutura urbana, por exemplo.

O Ecossistema de Fundos reúne sob a mesma orquestração fontes de recursos como bancos de fomento, governo estadual, prefeituras, fundos de contrapartidas de empreendimentos, grandes investidores e fundos de investimento e destinatários de recursos como os próprios governos, parcerias público-privadas, agentes comunitários e empreendedores.

“Ao observarmos a dinâmica de financiamento de infraestrutura e serviços na América Latina, as últimas décadas mostraram um ambiente pouco estruturado de colaboração público-privada, alta volatilidade nos investimentos, descontinuidade e desperdício de recursos e, mesmo nos casos de sucesso, prazos estendidos e projetos implementados em condições inferiores às planejadas. Este cenário é absolutamente inadequado à natureza estruturante dos investimentos em infraestrutura urbana”, apontou Sergio Marcondes, vice-presidente do Instituto Dialog.

A imprensa terá acesso para imagens e janelas para entrevistas com participantes nos seguintes horários:

- Dia 17/05 - 11h-11h15; 13h-13h15 e 18h30-18h45

- Dia 18/05 - 8h50-9h; 10h50-11h; 15h50-16h e 18h30-18h45

*Com informações do Instituto Dialog

Por Governo do Estado do Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário