Postagem em destaque

Professora exigia sexo para aumentar notas de alunos. Veja o vídeo!

Uma professora casada de Medellín, Colômbia, foi presa após acusações de que transava com alunos menores de idade e, em troca, dava notas ...

Olho do Boto

Grupo do Blog

Informatica

terça-feira, junho 27, 2017

Execução de militar está envolta em mistério

O final de semana, que começou em clima de confraternização, terminou em tragédia para o sargento do Corpo de Bombeiros Adamor Lima Brito, 45 anos. Na madrugada de ontem ele levou 10 tiros e morreu na avenida Brasil, bairro do Sideral, na Grande Belém. Policiais civis, por meio da Divisão de Homicídios (DH), estão investigando o caso. Foi o terceiro militar do Corpo de Bombeiros assassinado esse ano no Pará. Há ainda 19 policiais militares na macabra estatística.
 

O assassinato do sargento Adamor Brito, 45 anos, está envolto em mistério. O autor do crime ainda não foi preso (Foto: Reprodução/Polícia Civil)


Segundo os policiais civis que atenderam a ocorrência, o sargento Adamor Lima Brito era lotado em Altamira. Ele viajaria para o município na quarta-feira (28). Antes disso, decidiu aproveitar a folga ao lado de amigos.

“A vítima morava aqui perto. Ele já tinha até ido para casa, mas decidiu voltar ao bar e essa tragédia acabou acontecendo”, relatou Glauco Valentim, delegado da DH.

DUAS VERSÕES

Duas versões foram apresentadas para os policiais civis sobre o assassinato. A primeira seria que o militar teria sido mais uma vítima dos ocupantes do carro prata. “Essa versão foi dita por populares da área, mas parece ser uma ideia muito vaga e não confirmamos essa versão. No entanto, tomamos nota e vamos analisar essa possibilidade na nossa linha de investigação”, completou Glauco Valentim.

A outra versão foi apresentada por um colega de farda do sargento Adamor, que serve como tenente dos Bombeiros, e que pediu para não ser identificado. Segundo o militar, a vítima foi baleada por outro homem que estava no bar, e que fugiu em seguida. “Esse é outro aspecto que vamos avaliar com profundidade. Na verdade, nenhuma das versões será descartada na nossa investigação”, reiterou o delegado Glauco Valentim.

Cena do crime foi alterada, de acordo com peritos criminais


Outro dado que não foi confirmado, envolvendo a morte do sargento Adamor Lima Brito é sobre o local de sua morte. Segundo os peritos criminais, a cena do crime foi alterada, já que o corpo da vítima teria sido removido da frente do bar onde ele estava com amigos para outro ponto, a poucos metros do estabelecimento. “Foi uma atitude estranha. Não sabemos se o corpo dele foi removido pelo dono do bar para não ter problema para o estabelecimento, que fechou após o crime. Vamos identificar o proprietário para ouvi-lo. Isso vai ajudar nas investigações”, disse o delegado da DH.

Entre os mistérios já verificados, os peritos criminais conseguiram confirmar de maneira sucinta a quantidade dos disparos que mataram o sargento bombeiro.
Ele levou 10 tiros, que o acertaram nas mãos, braços, peito, rosto e de baixo para cima no queixo. “Os tiros nas mãos foram porque a vítima tentou se defender. Já o tiro de baixo para cima no queixo aconteceu porque talvez o rapaz já estivesse caído no chão”, detalhou Nazareno Melo, perito criminal.

A morte foi lamentada por amigos e parentes do militar, que, independente das circunstâncias, é mais um militar assassinado no Pará. Segundo eles, o sargento Adamor Lima Brito estava na corporação há 24 anos.

(Alexandre Nascimento/Diário do Pará)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário