Postagem em destaque

Luciana Gimenez chama atenção com foto provocante

Ousada que só ela, a apresentadora Luciana Gimenez esbanjou sensualidade em um registro compartilhado nas redes sociais. Aos 47 anos de id...

Flash

Poderá gostar também de:

Participe

Quem achou interessante

quarta-feira, abril 12, 2017

Ministro diz que não é o cavanhaque da lista do Fachin.

O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, emitiu no final da noite desta terça-feira (12) uma nota de esclarecimento sobre a abertura de um inquérito contra ele pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Eduardo Fachin, sobre o recebimento de propina do empreiteiro Marcelo Odebrecht, em investigação no âmbito da Operação Lava Jato.

Veja a integra.

(Foto: Divulgação)
Segundo a denúncia, Helder Barbalho, o senador Paulo Rocha, do PT, e o prefeito de Marabá, João Salame, supostamente receberam cerca de R$ 1,5 milhão da Odebrecht em 2014, durante o período de campanha eleitoral de Helder para o governo do Pará. O pagamento teria sido feito em três parcelas, em troca de apoio aos interesses da empreiteira no Estado, "notadamente em área de saneamento básico, espaço em que a empresa almejava atuar como concessionária", segundo despacho do ministro Fachin.

Veja a lista

Em nota divulgada à imprensa, o ministro afirmou que "nunca me reuni para pedir doação via caixa 2 ou qualquer valor em espécie" e que "todas as minhas doações foram oficiais", afirmando não cometer nenhuma ilegalidade durante a campanha eleitoral.
Helder afirma que "não tenho ou tive qualquer ingerência sobre a área de saneamento do Pará" e que "a empresa responsável pelas ações nessa área é a Cosanpa, ligada ao Governo do Estado, que já manifestou publicamente a sua intenção de privatizá-la".

O ministro ainda ressalta a "estranheza" com o codinome "Cavanhaque", que supostamente faria referência a ele, destacando que "em toda minha trajetória polítia nunca usei cavanhaque, que é a marca de outros atores da política paraense".

Na nota, Helder enfatizou que nunca autorizou ninguém a falar em seu nome sobre doações eleitorais e que apoia completamente a Operação Lava Jato.

(DOL)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário