Postagem em destaque

Mentor da morte de técnica de enfermagem tinha briga com filho da vítima

Segundo o delegado Juan Valério, Lessandro Leal de Lima havia se envolvido em uma briga com o filho de Corina no dia 27 de maio e desde en...

Flash

Poderá gostar também de:

Participe

Quem achou interessante

quarta-feira, março 08, 2017

Ex-diretor da Odebrecht diz que codinome 'Amigo' era usado para identificar ex-presidente Lula

Ex-diretor da Odebrecht diz que codinome 'Amigo' era usado para identificar ex-presidente Lula
publicidade

Ex-diretor da Odebrecht diz que codinome 'Amigo' era usado para identificar ex-presidente Lula
Segundo Hilberto Mascarenhas, planilha da empresa tinha mais de 300 codinomes para identificar políticos que receberam repasses da Odebrecht
(foto: Instituto Lula/Divulgação) O ex-diretor do Departamento de Operações Estruturadas da Odebrecht (chamado de “departamento de propina”), Hilberto Mascarenhas, afirmou em depoimento nesta terça-feira, ao ministro Herman Benjamin, do Tribunal Superior Eleitoral, que “Amigo” era o codinome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas planilhas da empresa. Segundo o jornal Estado de São Paulo, a informação foi confirmada pelo ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, também em depoimento ao ministro Benjamin.

Mascarenhas afirmou em depoimento que não sabia todos os codinomes que, segundo ele, eram mais de 300, mas confirmou o apelido usado para identificar Lula. O ex-diretor da Odebrecht disse que era apenas executor de decisões de repasses de recursos que eram tomadas por Marcelo Odebrecth ou por outros diretores da empresa.

Em nota, a defesa de Lula afirmou que jamais pediu recursos para a empresa. "Lula jamais solicitou qualquer recurso indevido para a Odebrecht ou qualquer outra empresa. O ex-presidente jamais teve o apelido de 'amigo'. Se alguém eventualmente a ele se referiu dessa forma isso ocorreu sem o seu conhecimento e consentimento. Se delação premiada não é prova, o vazamento seletivo de suposta delação não tem qualquer valor jurídico e não pode dar base a qualquer ilação", diz a nota.


Em outubro do ano passado, a Polícia Federal ligou os codinomes “Amigo” e “Amigo de meu pai” que apareceram nas planilhas da empresa ao ex-presidente. A informação apareceu durante a 35º fase da operação Lava-Jato, quando o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci foi indiciado por corrupção passiva. Segundo a PF, foram repassados R$ 8 milhões para “Amigo”.

Em resposta ao relatório da PF no final do ano passado os advogados do ex-presidente Lula afirmaram que não foram apresentadas provas e que o petista estaria sendo perseguido pelos investigadores. “Na falta de provas, usa-se da 'convicção' e de achismos. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sua esposa, a empresa de palestras LILS e sua família já tiveram suas vidas absolutamente devassadas pela operação Lava-Jato (sigilo bancário, fiscal, telefônico e busca e apreensão) e tudo que foi encontrado está rigorosamente dentro da lei”, disse a defesa de Lula por meio de nota.

Tags: investigação lava-jato ex-presidente lula odebrecht


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário