Postagem em destaque

Mentor da morte de técnica de enfermagem tinha briga com filho da vítima

Segundo o delegado Juan Valério, Lessandro Leal de Lima havia se envolvido em uma briga com o filho de Corina no dia 27 de maio e desde en...

Flash

Poderá gostar também de:

Participe

Quem achou interessante

sexta-feira, novembro 04, 2016

‘Operação Lupa II’ Denunciante afirma que “tramas” no Ibama foram orquestradas em Brasília

Após a Polícia Federal desencadear a chamada ‘Operação Lupa II’ que investiga possíveis crimes de corrupção de servidores do Ibama/Santarém, e do Ministério Público Federal ter denunciado três servidores à Justiça Federal na semana passada. A reportagem do Jornal O Impacto, por meio da TV Impacto, gravou entrevista com denunciante, que fez sérias acusações em relação aos últimos acontecimentos, que colocam em xeque postura e encaminhamentos feitos pelos gestores do Instituto, inclusive a nível nacional.
 

Denunciante, que não quis se identificar porque tem medo de sofrer represálias, afirma que “tramas” no Ibama de Santarém foram orquestradas em Brasília

“A corrupção está infiltrada no Ibama/Santarém. Desde o Ibama/Brasília, na sua Coordenação Geral de Fiscalização, onde temos informações que o desmatamento no município de Novo Progresso, na região de Castelo dos Sonhos, que até hoje só cresceu, com mais de 10 anos de atuação do Ibama naquela região, gastando fortunas com diárias e deslocamento de servidores, e mesmo assim, o quadro de desmatamento não se reverte. Isso só seria possível se houvesse uma ajuda direta de funcionários do Ibama/Santarém para que os crimes cometidos, inclusive em uma operação de destaque nacional, ‘Operação Castanheira’ pudessem ser cometidos. Para tirar o foco destes crimes, a gerência de Santarém seria a responsável por atuar naquela região, mas é deixada de lado, e atua diretamente o Ibama/Brasília, para assim tirar o foco das verdadeiras falcatruas que acontecem naquela região. Outra denúncia, é que o Ibama usa do expediente em fazer com que a máquina pública, seja Ministério Público Federal ou Polícia Federal, sejam abarrotados de denúncias, muitas das vezes apócrifas, para buscar incriminar outros servidores do Ibama/Santarém, tirando desta forma o foco verdadeiro das irregularidades gigantescas, com lucros milionários, na região de Novo Progresso. Estou aqui, não para pedir que o MPF e a Polícia Federal passe a mão na cabeça de ninguém, o que queremos é que façam uma investigação séria, verdadeira e imparcial, dando oportunidade para os dois lados colocarem seus posicionamentos. Porém, o Ibama não utiliza deste expediente”, diz o denunciante, que com medo de sofrer represálias, não quis se identificar.

Ele acredita que existe uma guerra de dois grupos dentro do órgão, porém, um destes grupos possui aval de gestores do alto escalão, para perseguir os demais. “A Operação Lupa I foi desencadeada no Ibama/Santarém, juntamente com uma intervenção feita pela corregedoria do Ibama/Brasília, onde detinha de prazos para iniciar e terminar, e apresentar relatórios conclusivos, com o resultado das investigações das supostas irregularidades, inclusive, de que o servidor Sérgio Suzuki apresentou relatório à Polícia Federal informando que em Santarém existia um grande conluio para que processos administrativos que seriam lavrados em nomes de laranjas, em Novo Progresso, estavam sumindo, que eles tinham sido roubados do Ibama/Santarém. Fato que, logo no início da operação, foi desmascarado, pois foram encontrados na sua maioria todos os processos que o próprio Ibama, através de Sérgio Suzuki, disse que tinham sumido. Tudo isso acontecia com o aval do senhor diretor geral de fiscalização, hoje vice-presidente do Ibama, Luciano Meneses, para que sem mais nem menos, usando do expediente de Sérgio Suzuki na sua nota técnica, colocasse nomes de servidores do Ibama/Santarém, sem os mesmos terem participado das referidas operações em Novo Progresso, e ao menos, terem, no mínimo, participado de qualquer trâmite processual. Portanto, a Operação Lupa I está fadada ao insucesso, pois começou com mentiras, enganando inclusive um Juiz e um Delegado Federal, a cometer erros, autorizando procedimentos de busca e apreensão na casa de alguns servidores de Santarém, onde não foi encontrado o que o juiz de direito havia solicitado, que seriam os processos sumidos, segundo Sérgio Suzuki e Ibama. O que acontece é que não se apura os fatos de forma correta, através de PAD, os possíveis delitos ou infrações ocorridas dentro do Ibama/Santarém, e assim, abarrotando as esferas judiciais e as esferas de investigações. A vinda da atual gerente não é a toa. Como pode você ter um cargo hierarquicamente superior, de alto escalão dentro do Ibama/Santarém nacional, inclusive com várias vantagens pecuniárias, um DAS muito maior, enfim, todo um status, para vir para Santarém, uma Gerência dita como problemática, corrupta, você sair da sua zona de conforto, para vir para Santarém, tomar providências quanto a possíveis atos de corrupção? É muito estranho, porém, os servidores de Santarém desde o início de sua chegada (Gerente Maria Luíza), no começo do ano de 2015, já sabiam que vinha a mando de Luciano Evaristo, para tentar finalizar o que não se conseguiu nas operações anteriores já citadas, e de forma administrativa, tentar incriminar de uma vez por todas os servidores de Santarém. O seu plano era municiar o Ministério Público com várias denúncias, inclusive, todas no âmbito administrativo, dento de processos administrativos do Ibama para que se mostrassem uma situação de envolvimento de vários servidores, como se fossem uma organização criminosa”, expôs o denunciante.

Para ele, tal situação tem como objetivo tirar o foco de alguns procedimentos, tais como, a atuação de laranja feita pelo servidor Sérgio Suzuki, que segundo ele, mesmo tendo conhecimento que a área pertencia a Luiz Lozano, preso na ‘Operação Castanheira’, lavrou o auto de infração em nome de Diego Malheiros, laranja de Luiz Lozano. Um fato que chama atenção, é que Suzuki até o momento não recebeu qualquer punição, pelo contrário, recebeu promoção, e hoje é assessor especial do gabinete da Gerência de Santarém. Acompanhe a entrevista completa, inclusive com outras denúncias, acessando www.oimpacto.com.br/tv-impacto.

VEREADOR PEDE QUE MPF E MINISTRO APUREM DENÚNCIA CONTRA IBAMA: As recentes denúncias envolvendo a gerência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em Santarém, bem como o processo de indiciamento – pela Polícia Federal -, do vice-presidente do órgão, Luciano de Meneses Evaristo, fez com que o vereador santareno Valdir Matias Júnior, juntamente com o presidente estadual do Partido Verde (PV), José Carlos Lima da Costa, tomassem a iniciativa de acompanhar os encaminhamentos sobre o caso, no âmbito do Ministério do Meio Ambiente.

Para o Vereador, são denúncias muito sérias, que colocam questionamentos quanto à efetiva atuação do Instituto na defesa do meio ambiente e recursos naturais do maior patrimônio brasileiro, a Amazônia.

“O Ibama é ligado ao Partido Verde (PV), o atual ministro é do PV, Sarney Filho, nós inclusive estamos acompanhando junto com o nosso presidente estadual, Zé Carlos Lima, essas denúncias em relação ao Instituto aqui em nossa região. Ficamos muito surpresos com aquela utilização da estrutura do Ibama, uma estrutura cara, helicóptero para fazer voos rasantes, para querer aparecer usando recurso público, uma estrutura que deveria estar trabalhando para preservar, conservar o nosso meio ambiente, para proteger nossas florestas, e se utilizando do helicóptero daquela forma. Inclusive apresentamos à Câmara de Vereadores de Santarém um pedido de informações ao Ibama, para que ele possa esclarecer essa situação para os vereadores. Estamos atentos e acompanhando toda essa divulgação de problemas ligados inclusive em nível nacional, de pessoas que ocupam cargos importantes na presidência do Ibama, para que possamos esclarecer à população e assim possamos ter um órgão coerente, que utiliza de forma eficiente o recurso público e que de fato cumpra o seu papel, no coração da Amazônia, em Santarém, que tem que ter um órgão ambiental fiscalizador que cumpra efetivamente seu objetivo”, informou Valdir Matias Júnior à nossa equipe de reportagem.

Segundo o Vereador, o caso também deve ser acompanhado pelo Ministério Público Federal (MPF), responsável pela apuração das denúncias envolvendo a atuação dos servidores públicos do órgão, sejam quais forem os cargos ocupados. Valdir Matias afirmou que o Ministro do Meio Ambiente já recebeu as informações pertinentes ao caso.

“Na semana passada, essas informações chegaram até o Ministro Sarney Filho. Nós estamos acompanhando o desdobramento dessas situações. Já há um inquérito na Polícia Federal, instaurado a pedido do Ministério Público Federal de Brasília. Então, nós estamos acompanhando os encaminhamentos sobre todas essas questões, para que de fato possamos limpar o Ibama dessas pessoas, nomeando servidores sérios e comprometidos, que façam do Instituto um órgão eficiente, independente e que possa cumprir seu papel na Amazônia e no Brasil”, expôs Valdir Matias Júnior.

Conforme matéria publicada nas páginas do Jornal O Impacto, Luciano de Meneses Evaristo, atual vice-presidente do Ibama – estranhamento, há pelo menos 10 anos mantém-se também no cargo de Diretor de Proteção Ambiental -, foi indiciado pela PF, acusado de crime de corrupção passiva, por suspeita de cobrar propina de produtores rurais.

PORTOS EM SANTARÉM: Outro tema abordado por Valdir Matias junto à nossa reportagem, foi em relação à implantação de portos em Santarém. Para o Vereador, – que no atual governo exerceu o cargo de Secretário Municipal de Planejamento -, é imprescindível que agenda ambiental trabalhe de forma adequada com a agenda do desenvolvimento, e assim, a população possa ter a oportunidade de um crescimento econômico sustentável.

“É uma situação que a gente precisa discutir com o novo governo. Principalmente esta questão do desenvolvimento portuário de Santarém. Existe a necessidade de compatibilizar isso com o desenvolvimento turístico da cidade. Uma parte da cidade, especificamente das nossas praias, deve ser utilizada para o turismo, e a outra parte ser utilizada, principalmente aqui no calado (relacionado com a profundidade do rio) do Rio Amazonas, tem um bom calado o ano todo, para o desenvolvimento portuário da nossa cidade. Já existe a Cargill em Santarém, parece que algumas forças não querem que outras instalações aconteçam na cidade, como uma forma de manter o monopólio. Então, é preciso que a gente estude bem essa questão, e assim avalie, para que possamos gerar emprego e renda, novas oportunidades, respeitando a legislação ambiental, respeitando o nosso meio ambiente, e assim Santarém cresça, se desenvolva e prospere”, disse Valdir Matias Júnior.

Por: Edmundo Baía Júnior


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário