Postagem em destaque

Mentor da morte de técnica de enfermagem tinha briga com filho da vítima

Segundo o delegado Juan Valério, Lessandro Leal de Lima havia se envolvido em uma briga com o filho de Corina no dia 27 de maio e desde en...

Flash

Poderá gostar também de:

Participe

Quem achou interessante

segunda-feira, julho 25, 2016

"O rei está nu", diz a colunista Miriam Leitão

O interino Michel Temer, que deve entregar um rombo fiscal superior a R$ 180 bilhões neste ano, já provoca a desconfiança do mercado e de seus porta-vozes mais influentes; "A marca do governo Temer é a ambiguidade. Ele fala em ajuste e amplia gastos", escreveu a colunista Miriam Leitão; "O pouco crédito que começa a ser dado ao governo pode se estiolar em breve. Basta que alguém grite que o rei está nu"; na prática, Temer aumenta gastos no presente para tentar comprar sua permanência no poder, enquanto promete reformas, que ninguém sabe se serão aprovadas, no futuro – ou seja, o golpe parlamentar está custando muito caro ao País



 247 – "O rei está nu", diz a colunista Miriam Leitão, uma das principais porta-vozes da ortodoxia econômica, sobre a ambiguidade da política econômica do interino Michel Temer .

"A marca do governo Temer é a ambiguidade. Ele fala em ajuste e amplia gastos. Acusa o governo Dilma de ter sido gastador e provocado o rombo e solta uma nota dizendo que na administração da presidente afastada houve queda das despesas com salários de funcionários em proporção ao PIB. Anuncia como meta fiscal uma cifra astronômica e mesmo assim precisa recorrer à reserva de emergência", diz ela (leia aqui). "O pouco crédito que começa a ser dado ao governo pode se estiolar em breve. Basta que alguém grite que o rei está nu."

Neste ano, com o ritmo dos gastos determinado por Temer para comprar sua permanência no poder, seja com agradados ao Congresso ou ao funcionalismo, o rombo fiscal deverá bater em R$ 180 bilhões (leia mais aqui).

Miriam Leitão diz ainda que Temer gasta à vista o que promete enxugar a prazo. "De concreto, o que ele propõe são reformas a prazo e aumento de gastos à vista. As propostas de reformas irão ao Congresso em algum momento no futuro, e delas pouco se sabe. Apenas intenções. A única mudança apresentada é o teto de despesas que ainda tramita, pode ser alterado, e exigirá, para ficar de pé, uma reforma da previdência. Do contrário, o país achatará todas as despesas enquanto a conta com os aposentados vai continuar crescendo."

O que ela não afirma, no entanto, é que essa política fiscal é consequência do golpe de 2016. Como Temer não foi eleito, não tem legitimidade e é interino, ele amplia os gastos justamente para se manter no poder, prometendo que, no futuro, será capaz de reformar o Estado. Teria saído muito mais barato para o País rechaçar a aventura golpista e apoiar a presidente Dilma Rousseff no ajuste proposto no início de seu segundo mandato. Quem apostou no "quanto pior, melhor", começa a se dar conta de que o golpe de 2016 arrombou ainda mais as contas públicas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário