Postagem em destaque

Temer é rejeitado segundo pesquisa CNT/MDA só 3,4% aprovam governo Temer; desaprovação é de 75,6%

O levantamento ouviu 2.002 pessoas, em 137 municípios de 25 unidades Federativas, das cinco regiões do país.

Grupo do Blog

Informatica

Beile Paraense

Beile Paraense

quinta-feira, junho 09, 2016

Conheça a verdadeira história do Impeachment.


Pelo Twitter, o ex-ministro da Casa Civil do governo Dilma conta que Eduardo Cunha, então presidente da Câmara, disse aos petistas "que se conseguíssemos votos para barrar a cassação dele no Conselho de Ética, ele não abriria o impeachment. E nós respondemos: 'Bote o impeachment quando você quiser, mas você terá que responder pelos seus erros'"; Jaques Wagner diz ainda que, "esse impeachment, se de fato ocorrer, não terá nada a ver com as chamadas pedaladas fiscais e muito menos com o combate à corrupção", mas "uma mistura de oportunismo, covardia e chantagem"

Bahia 247 – Em tuítes publicados no início da noite desta segunda-feira 6, o ex-ministro da Casa Civil do governo Dilma, Jaques Wagner, relatou o que chamou de "a verdadeira história de como esse golpe começou".

Ele conta que Eduardo Cunha, então presidente da Câmara, disse aos petistas "que se conseguíssemos votos para barrar a cassação dele no Conselho de Ética, ele não abriria o impeachment. E nós respondemos: 'Bote o impeachment quando você quiser, mas você terá que responder pelos seus erros'".

O episódio foi sempre relatado pela presidente afastada Dilma Rousseff como sendo o verdadeiro motivo de Cunha para aceitar o pedido de impeachment contra ela – por vingança, uma vez que não conseguiu o apoio do PT no Conselho de Ética contra sua cassação. O colegiado deve votar nesta terça-feira 7 o relatório que pede a cassação de Cunha.

Jaques Wagner diz ainda que, "esse impeachment, se de fato ocorrer, não terá nada a ver com as chamadas pedaladas fiscais e muito menos com o combate à corrupção", mas "uma mistura de oportunismo, covardia e chantagem".

Confira abaixo as postagens:

- Os golpistas se aproveitaram de um momento em que @dilmabr estava com a popularidade baixa para encontrar um atalho que os levasse ao poder.

- Esse impeachment, se de fato ocorrer, não terá nada a ver com as chamadas pedaladas fiscais e muito menos com o combate à corrupção.

- Será, na verdade, uma mistura de oportunismo, covardia e chantagem. Eu estava lá, eu sei.

- Eduardo Cunha nos disse que se conseguíssemos votos para barrar a cassação dele no Conselho de Ética, ele não abriria o impeachment.

- E nós respondemos: "Bote o impeachment quando você quiser, mas você terá que responder pelos seus erros".

- Essa é a verdadeira história de como esse golpe começou.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo
que você achou?
Meta o dedo
Deixe seu comentário